quarta-feira, 14 de agosto de 2013

BRINCADEIRAS DIVERTIDAS

-->

Brincadeiras divertidas são importantes? Brincadeiras divertidas são saudáveis? Quais brincadeiras divertidas podem fazer? Brincadeiras divertidas auxiliam a criança no seu desenvolvimento? Brincadeiras divertidas ampliam o repertório das crianças? 

Brincadeiras divertidas como; pular corda, amarelinha, caracol, corre cotia...; auxiliam a criança no seu desenvolvimento físico, intelectual, social. Enriquece o repertório, dá oportunidade para que ela aprenda a se relacionar com outras crianças,  trocam experiências e criam novas regras.

Por meio das brincadeiras os pequenos expressam seus sentimentos, imitam os adultos e ampliar seus conhecimentos. 

É possível montar percurso no quintal com banco, colchonete ou tapete para equilibrar-se sobre esse material. Passar por baixo ou por cima do banco (ou cadeira, mesa), bambolês, pneus, rolarem sobre o colchonete ou tapete, esteira de praia, dar cambalhotas. Além de serem divertidas, as crianças estarão conhecendo novos movimentos e aprimorando aqueles que já possuem.

Outra para brincar com as crianças no quintal é fazer o contorno delas no chão, pode ser também na parede com giz de lousa. Após terminar pode sugerir que elas coloquem o nome nesses desenhos. Estarão trabalhando com a sua identidade, saber que é um indivíduo único com suas características, habilidades e história própria.

Esticar alguns elásticos como teia de aranha e passar no meio, por baixo e por cima do mesmo. Pode render muitos movimentos diferentes, além de ser um desafio divertido para a garotada.

Na área externa também é possível fazer brincadeiras com água em baldinhos, bacias, dar banho nas bonecas e bonecos, passar a água para copos, vasos e utensílios diferentes. Nessas últimas pode ser água com anilina para ficar colorida.

Jogos diversos também podem ser utilizados sobre o tapete ou mesa: quebra-cabeças simples com temas variados; animais domésticos, selvagens, frutas... Jogos de encaixe, lego, letras móveis, joguinhos educativos, brinquedos educativos em madeira, próprios para área externa num belo dia de sol.

Também é possível propor brincadeiras de roda: corre cotia, ciranda cirandinha, se essa rua fosse minha, atirei o pau no gato,...

Brincadeiras com bola: alerta, bobinho, bola ao cesto, futebol... Atividades com bambolês, dançar e ouvir diferentes gêneros musicais.


CANTIGA INFANTIL

-->

Cantiga Infantil é importante? As crianças aprendem com a cantiga infantil? A cantiga infantil ajuda no movimento corporal? A cantiga infantil é apenas para brincar? A cantiga infantil desenvolve a oralidade?


Cantiga Infantil: cantiga de roda, cantiga de ninar e cantiga popular povoam o universo infantil. É com essas cantigas que as crianças desenvolvem sua linguagem oral, a expressão corporal e ampliam seu repertório de palavras e brincadeiras pertencentes à nossa cultura.


Pai Francisco
Pai Francisco entrou na roda
Tocando o seu violão
Bi-rim-bão bão bão, Bi-rim-bão bão bão !
Vem de lá Seu Delegado
E Pai Francisco foi pra prisão.
Como ele vem todo requebrado
Parece um boneco desengonçado.



A Canoa virou
A canoa virou
Por deixá-la virar
Foi por causa da "Fulana"
Que não soube remar
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar
Tirava a "Fulana"
Do fundo do mar.


Alecrim
Alecrim, Alecrim dourado
Que nasceu no campo
Sem ser semeado
Foi meu amor
Quem me disse assim
Que a flor do campo
É o alecrim.



Caranguejo
Palma,palma,palma
PÉ,pé,pé
Roda, roda,roda, 
Caranguejo, peixe é

Caranguejo não é peixe 
Caranguejo, peixe é
Caranguejo só é peixe 
Na enchente da maré

Ora palma, palma, palma
Ora, pé, pé, pé
Ora roda, roda ,roda
Caranguejo, peixe é! 


CACHORRINHO
Cachorrinho está latindo
Lá no fundo do quintal.
Cala a boca, cachorrinho,
Deixa o meu benzinho entrar.

Ô esquindô lê, lê!
Ô esquindô lê, lê, lá, lá!
Ô esquindô lê, lê!
Não sou eu que caio lá!

Cachorrinho está latindo
Lá no fundo do quintal.
Cala a boca, cachorrinho,
Deixa o meu benzinho entrar.




  
O sapo não lava o pé
O sapo não lava o pé.
Não lava porque não quer.
Ele mora lá na lagoa,
E não lava o pé
Porque não quer
Mas, que chulé!  



Sítio do seu Lobato
Seu lobato tinha um sítio ia, ia, ô! 
E no seu sítio tinha um cachorro, ia, ia, ô! 
Era au, au, au pra cá
era au, au, au pra lá
era au, au, au, pra todo lado, ia, ia, ô! 

Seu lobato tinha um sítio ia, ia, ô! 
E no seu sítio tinha uma galinha, ia, ia, ô! 
Era cocoricó pra cá
era cocoricó pra lá
era cocoricó pra todo lado, ia, ia, ô! 

Seu lobato tinha um sítio ia, ia, ô! 
E no seu sítio tinha uma vaca, ia, ia, ô! 
Era mu, mu, mu pra cá
era mu, mu, mu pra lá
era mu, mu, mu pra todo lado, ia, ia, ô! 

Seu lobato tinha um sítio ia, ia, ô! 
E no seu sítio tinha um pato, ia, ia, ô! 
Era quá, quá, quá pra cá
era quá, quá, quá pra lá
era quá, quá, quá pra todo lado, ia, ia, ô! 
Ia, ia, ô
ia, ia,ô.



Meu pintinho amarelinho
Meu pintinho amarelinho
cabe aqui na minha mão,
na minha mão.

Quando quer comer bichinho
com seus pezinhos
ele cisca o chão.
ele bate as ele faz piu-piu
 mas tem muito medo é do gavião. [bis]




Loja do mestre André
Fui na loja do Mestre André
e comprei um pianinho
Pplim, plim, plim, um pianinho
Ai olé, ai olé
Fui na loja do Mestre André

Fui na loja do Mestre André
E comprei um violão
Dão, dão, dão, um violão
Plim, plim, plim, um pianinho

Fui na loja do Mestre André 
E comprei uma flautinha
Flá, flá, flá, uma flautinha
Dão, dão, dão, um violão
Plim, plim, plim, um pianinho
Fui na loja do Mestre André

E comprei uma corneta 
Tá, tá, tá, uma corneta 
Flá, flá, flá, uma flautinha
Dão, dão, dão, um violão
Plim, plim, plim, um pianinho


Fui na loja do Mestre André
E comprei uma sanfoninha
Fom, fom, fom, uma sanfoninha 
Tá, tá, tá, uma corneta
Flá, flá, flá, uma flautinha
Dão, dão, dão, um violão 
Plim, plim, plim, um pianinho





terça-feira, 23 de julho de 2013

LIVROS INFANTIS

-->


Livros infantis são importantes?  Os livros devem ser interessantes? 
Os livros podem ser indicados? Leio os livros infantis? 
Livros infantis são bons? Quais livros infantis? 

Livros infantis: a partir do momento em que os adultos compreenderem o valor dos livros infantis, a leitura desses livros irão trazer as crianças para o mundo da cultura escrita, passarão a considerar o fato de criar o hábito da leitura dos livros infantis.

Os livros infantis abrem um mundo de fantasias, imaginação, informações, histórias de diversos gêneros. As crianças formarão o hábito prazeroso de ler, pesquisar, discutir com os amigos, indicar livros, escolher qual título ou qual gênero quer ler.   

“O adulto empresta sua voz aos textos para que os autores falem às crianças pequenas, uma vez que elas ainda não estão alfabetizadas”.

Os livros têm “intencionalidade, visam informar, persuadir, influenciar o interlocutor e somente o fará na medida em que o leitor possa interagir com ele, confrontando os objetivos e intenções do autor com as suas próprias”. (Literatura Infantil – Marta Morais da Costa)

Abaixo segue indicação de livros infantis:

·      A arca de Noé – Ruth Rocha – Ed. Ática
·      A casa sonolenta – Audrey Wood – Ed. Ática
·      A verdadeira história dos três porquinhos – Jon Scienzka – Cia. Das Letrinhas
·      Adivinhe quem...! – Ana Martín-Larrañaga
·      As centopéias e seus sapatinhos – Milton Camargo – Ed. Ática
·      Branca de Neve e os sete anões – Col. Caixinha de Música – Ed. Record
·      Brasileirinhos – Lalau e Laurabeatriz – Cosac & Naify
·      Bruxa, Bruxa, venha à minha festa – Arden Druce – Brinque Book
·      Chapeuzinho Amarelo – Chico Buarque – Ed. José Olympio
·      Como contar crocodilos – Margaret Mayo – Cia. Das Letrinhas
·      Da pequena toupeira que queria saber quem tinha feito cocô na cabeça dela – Werner Holzwarth/Wolf Erlbruch – Cia. Das Letrinhas
·      Dorminhoco – Michael Rosen/Jonathan Langley – Brinque Book
·      Esta é Silvia – Tony Ross/Jeanne Willis – Salamandra
·      O caracol e a Baleia – Julia Donaldson/Axel Scheffler – Cosac & Naify
·      O homem que amava caixas – Stephen Michael King – Brinque Book
·      O patinho feio – Ed. Scipione
·      O rei bigodeira e sua banheira – Audrey Wood – Ed. Ática
·      Pedro e Tina – Stephen Michael King – Brinque Book
·      Rápido como um gafanhoto – Audrey Wood – Brinque Book
·      Girassóis – Lalau e Laurabeatriz
·      Macaco danado – Julia Ionaldson e Alex Scheffer
·      Você troca? – Eva Furnari – Ed. Moderna
·      A Bruxa Salomé – Brinque Book
·      Dez Sacizinhos – Tatiana Belinky – Paulinas
·      Murucututu” – Marcos Bagno – Ed. Ática.
·      O Pote Vazio – Demi – Martins Fontes
·      "Poemas Para Brincar" – José Paulo Paes – Ilustrações de Luiz Maia - Editora Ática.
·      Ou Isto ou Aquilo" - Cecília Meireles - Editora José Olympio.
·      Uma Cor, Duas Cores, Todas Elas" – Lalau e Laurabeatriz

“Brasileirinho”; “Novos brasileirinhos”; “Mais brasileirinhos”; 

terça-feira, 16 de julho de 2013

BRINCAR COM SENTIDOS

-->


É bom estimular os sentidos? Brincar com os sentidos diverte? Quais são os sentidos? Crianças identificam os sentidos? Crianças conhecem o corpo?




Com os olhos vendados a criança terá que adivinhar o que está degustando (pequenos pedaços de frutas: doce, azeda; suco, alimentos mornos, frios...).      
        
Também com os olhos vendados terão que descobrir qual é o aroma: frutas, temperos, chás, perfumes, sabonetes...

 Numa outra oportunidade, ainda com os olhos vendados a criança terá que falar qual é o objeto ou instrumento musical que está fazendo determinado som: chocalhos, xilofones, pianinhos, flautas, pandeiros, reco-recos, tamborins, castanholas, sinos, tambores, apito, sons de animais, garrafa com arroz dentro, assovio...

 O adulto pode fazer mímica e as crianças têm que adivinhar o que ele está fazendo, ou que bicho está imitando.     

 Dentro de uma caixa colocar objetos, frutas, legumes e pedir para a criança colocar a mão sem olhar tentar adivinhar o que esta tocando. Exemplo: laranja, maça, cenoura, pequenos brinquedos, objetos de cozinha...

 Andar descalço sobre a grama, piso, tapetes (sensações diferentes com os pés).

Observar imagens em livros ou revistas e pedir para a criança falar o que está vendo naquela imagem, o que lhe chama a atenção; as cores, as formas, o formato do desenho...

 Outra possibilidade é deixar a criança com os pés descalços, pisar num recipiente com tinta e depois pisar em cima de um papel, pode ser cartolina ou papelão. Vai trabalhar com a sensibilidade dos pés e ao mesmo tempo com artes plásticas.  

segunda-feira, 17 de junho de 2013

BRINCADEIRAS DE CRIANÇAS

-->


Crianças aprendem com brincadeiras? Brincar ajuda aprender? Brincadeiras são importantes? Quais brincadeiras? Brincar desenvolve a criança?

 Muitos pesquisadores afirmam que no momento das brincadeiras as crianças estão aprendendo; estão interagindo com os companheiros ao brincar, criam regras, expõem sentimentos, reproduzem situações do cotidiano dos seus lares e da escola. É uma troca de conhecimentos e ao mesmo tempo uma ampliação do repertório das brincadeiras.

Brincadeiras com bonecas, carrinhos, panelas, caixas vazias para contar pequenas  histórias, garrafas  plásticas e copinhos   para brincar com água,  encher os copinhos e devolver  nas garrafas, funil, peneiras, baldes, rolinhos de papelão (aquele que vem com papel alumínio) ou de PVC para brincar de fazer pizza, pão, bolo, espremedor de batatas, de alho, limão, etc com massinha caseira *. Nesses momentos devemos usar a criatividade e propor às crianças diversas possibilidades de brincar e aprender de maneira prazerosa e significativa.

Crianças pequenas adoram caixas vazias tanto para entrar nas mesmas e deixar fluir a imaginação quanto para empilhar as mesmas umas sobre as outras e ver tudo despencar. Elas são pequenas cientistas a explorar o mundo que as cerca.

Brincar de cabana, usar lençóis ou cobertores para, ler ou contar histórias lá dentro pode ser fascinante. Observar se a criança não tem medo do ambiente ou do tipo de história. Podem fazer teatrinho ou brincar de casinha.

Objetos dentro de caixas são ótimos para criar um mundo mágico. Caixa de camisa ou de sapato com pedras dentro, ou tecidos de tamanhos e estampas diferentes para contação de histórias, como se fossem fantoches. Palitos de sorvete, novelos de lã, caixinhas de remédio vazias, talheres, tampinhas de garrafas, bichinhos de pelúcia, bonecas e carrinhos em miniatura... (sempre com os cuidados devidos, pois objetos pequenos podem ser colocados na boca).

Fazer desfile de fantasias ou de roupas e adornos dos adultos estimula a criatividade da criançada. É o famoso faz de conta no qual prevalece o mundo da imaginação e da magia que se mescla com a realidade cotidiana.
                                              
Montar feirinha, mercadinho, pizzaria, salão de beleza, escritório, posto de saúde, pista de carrinhos, sala de aula... Pode usar brinquedos tradicionais, de plástico e também sucatas; garrafas pet, vasilhas de plástico, panelas, talheres e outros.   É só soltar a imaginação.




ARTES PARA CRIANÇAS

-->







Ensino artes para as crianças? Artes para crianças é importante? As crianças aprendem com as artes? Crianças se interessam por artes?

          



Apresentar as artes para crianças é propor a elas mais uma forma de manifestar sentimentos, ideias, opiniões ou, simplesmente trazer as artes para as crianças é aguçar sua imaginação, dar oportunidade para que possam ampliar e explorar suas habilidades.

As artes podem ser trabalhadas por meio dos diversos materiais, as crianças estarão se desenvolvendo e experimentando, manuseando, fazendo descobertas, verificando as possibilidades de lidar com uma diversidade de materiais.
Em artes como lidar com as massas, tintas, colas, canetinhas, pincéis, carimbos, lápis de cor, giz de cera, caneta piloto... E os papéis, se esfregar muito rasgam? Qual é o mais adequado para usar a tinta ou a caneta piloto? 
Quando lidamos com as artes temos propostas com tintas diversas: guache, aquarela, tinta feita com anilina, com farinha de trigo e corante comestível, beterraba...Usar folhas de cartolina, papelão, sulfite, papel cartão, a própria mesa pode também ser utilizada como suporte para as pinturas com tintas caseiras. Pincéis variados, ramos de folhas de árvores, barbante, buchinhas, o próprio legume como carimbo; batata, beterraba, chuchu...
 Canetinhas coloridas de ponto grossa (piloto), ponta fina, caneta hidrocor, lápis de cor, giz de cera, carvão, pedaço de telha ou tijolo... Utilizando papéis de tamanhos e formatos diferentes, quadrado, comprido, redondo, cores variadas.
É importante pensar na textura do papel de acordo com o riscante que será usado; lápis de cor, giz de cera, canetas,... em papel sulfite. As tintas são mais apropriadas em papel cartão, cartolina, ou seja, papel mais consistente.
  Recorte de imagens de revistas, encartes de mercado ou de roupas, que encontramos nas lojas de shopping, colagem com cola convencional ou a caseira (água, farinha de trigo: leve ao fogo até ficar com consistência).
  Massa caseira para modelar usando farinha de trigo 4 xícaras, sal 1 xícara, óleo comestível 1 colher, água 1 xícara e meia. Misture todos os ingredientes e vá sovando como fazemos com a massa de pão, acrescente mais farinha de trigo se estiver mole. Divida em partes e coloque o corante (anilina que usamos no bolo, ou gelatina).
A massa caseira fica macia no ponto adequado para as crianças manusearem. Para conservá-la guarde em pote com tampa. Para brincar as crianças podem utilizar utensílios como, rolinhos de pvc ou aqueles que vêm com papel alumínio, faquinhas de plástico ou palitos de sorvete, forminhas,... Brincar de pizzaria, padaria, fazer animais, insetos e tudo que a imaginação e a criatividade sugerirem.
         Ainda dentro desse campo das artes podemos apresentar às crianças propostas de desenhos utilizando material diverso. Oferecer propostas para montar peças de teatro, musicais a exposição dos seus trabalhos artísticos que estiverem prontos.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

REGRAS PARA CRIANÇAS

-->

Como as crianças aprendem regras? Regras para grupo? Como lidar com as crianças pequenas? Importância das regras sociais?  Brincadeiras podem auxiliar as regras?

 Atualmente as crianças são  ativas, questionadoras e inquietas, não aceitam as regras de boas maneiras, nem sempre os adultos conseguem dizer não, ou obtêm êxito em impor limites para que seus filhos saibam respeitar as regras  para viver bem socialmente.

Os pais querem que seus filhos preencham o tempo com estudo e brincadeiras saudáveis, que saibam se comportar com os amiguinhos, acatando as regras das boas maneiras, dividindo seus brinquedos com os outros e cuidando dos seus pertences e não os destruindo.
Jogos com suas diferentes regras, brincadeiras, histórias, propostas com material de artes, parlendas, poesias, leituras e outras atividades ajudam a criança a desenvolver seus conhecimentos e preencher seu tempo com brincadeiras saudáveis. De maneira natural auxiliam as crianças a compreenderem a importância de conviver harmoniosamente com seus pares, acatando as regras espontaneamente.
Diversos jogos e brincadeiras da tradição infantil contribuem para a compreensão das regras de convívio em sociedade, permitindo distinguir seus direitos e deveres perante as outras pessoas, sejam elas adultas ou crianças.
Na 1ª infância as crianças estão na fase do egocentrismo; não conseguem se colocar no lugar do outro. Por esse motivo é importante o uso dos jogos (ver: Brincar no quintal; nesse Blog); saber perder, ganhar, esperar sua vez, respeitar a vez do outro, compreender as orientações do manual de instruções do jogo e outros, são situações que auxiliarão as crianças a desenvolverem o processo de socialização.
Cuidar dos brinquedos, jogos e demais pertences além de guardá-los após ter usado, são importantes ações para compreenderem não apenas o prazer da diversão, mas também seus deveres e sua responsabilidade de preservar seus objetos; brinquedos, jogos, livros, roupas e outros.
Brincar com outras crianças favorece a troca de experiências e saberes; um aprende com o outro. Criam regras, discutem, inventam novas brincadeiras e ampliam seu repertório. O mesmo ocorre com as cantigas, histórias e outras atividades que estejam desenvolvendo juntas.
É importante que os adultos estejam sempre observando as crianças e lhes dando oportunidade para que resolvam seus conflitos, caso não consigam, alguém deve interferir, dar orientações, explicar as regras e combinados do jogo, brincadeiras e da convivência em grupo.  
Os pais e cuidadores, da mesma forma que os educadores, são exemplos para as crianças, por isso a necessidade de orientá-las e sempre explicar as questões que elas querem saber, ou o porquê não pode ter determinadas atitudes com amigos e com outras pessoas. . .